Agricultores comemoram colheita do feijão verde após chuvas irregulares em Paraú

Zacarias e Dona Toinha debulhando o feijão recém-colhido — Foto: Flávio Soares/Inter TV Costa Branca

Na casa de Antônia Alves, a Dona Toinha, tem feijão verde para o almoço nos próximos dias. O preparo une a tradição e a simplicidade do sertanejo. É na área da casa onde tudo começa. Bacia na mão e a companhia do marido Francisco Zacarias para debulhar o feijão verdinho recém-chegado do roçado. Nessa época do ano, a debulha do feijão verde vira rotina por aqui.

O feijão veio do roçado na família, que fica a poucos quilômetros da casa deles, na Comunidade Posto Agrícola, zona rural do município de Paraú, no Oeste potiguar. A colheita começou esta semana. O feijão retirado do campo ainda é pouco se comparado ao mesmo período do ano passado, diz a agricultora. É que a falta de chuva regular atrapalhou o plantio.

"Eu fico muito satisfeita quando aparece o inverno e a gente planta e tem o feijão pra pegar. Acordo bem cedinho, vou pro roçado apanhar o feijão e quando chego, vou debulhar. Eu sempre gostei da vida da roça", festeja a agricultora.

Os agricultores até chegaram a pensar que as plantas não iriam crescer e a plantação não iria aguentar tanto tempo sem água. Mas a chuva se intensificou na região e mudou a paisagem do roçado.

"A gente plantou no começo do ano e ficou sem chover depois. Nós ficamos desanimados, mas a chuva veio, a gente plantou de novo e está dando certo. Estamos agora colhendo e vamos fazer o que puder para ter mais feijão ao longo do mês", comemora o agricultor Antônio Francisco, filho de Dona Toinha.

Com o inverno tardio, o a família acredita que ainda deve colher uma saca de feijão, cerca de 60kg do grão. No ano passado, quando o período de chuva foi mais generoso, o agricultor colheu duas sacas de feijão. Alguns grãos ainda estão guardados em casa, em garrafas pets, para não estragar. Mas o agricultor não desanima e continua acreditando que o inverno ainda pode surpreender este ano.

Depois que o trabalho de debulhar acaba é hora de colocar o feijão na panela. E não tem muito segredo no preparo. Basta água e sal e em alguns minutinhos no fogo o feijão tá pronto. Se quiser caprichar, manteiga da terra e creme do sertão. "Eu gosto muito de feijão verde. Quando tem, quase todos os dias eu coloco no fogo", conta Toinha.

Quem também não tem do que reclamar é o agricultor Antônio José. Ele disse que aprendeu com o pai que agricultor deve plantar cedo, nas primeiras chuvas. Arriscou e se deu bem. Na área de um hectare, o feijão está no ponto de ser colhido. O agricultor estava ansioso aguardando o momento certo de começar a retirar as vagens do roçado.

"Já tem milho maduro e o feijão apesar de ter dado mais fraco, já estamos colhendo. Normalmente, a gente começa a colher no começo de abril, mas por causa da chuva que não veio do jeito que a gente esperava, comecei a colher já depois da metade do mês", explica o agricultor que segue aguardando mais chuva na região.

"Enquanto durar o inverno, a gente tá aqui esperando pra colher. Se Deus quiser, vem mais chuva por aí".

Fonte: G1RN

© WWW.CGNAMIDIA.COM - 2010/2016. Todos os direitos reservados.
desenvolvido por: D'Creative Agência Digital
imagem-logo