Médico preso por matar Dona Chica em Patu alega insanidade mental

Preso preventivamente em Pau dos Ferros por ter matado com um tiro na cabeça a aposentada Francisca Alves da Silva Oliveira, de 69 anos, no início de 2019, perto de Patu (Veja AQUI), o médico Wilson Edino Freitas Jales pediu a Justiça para ser transferido para o Centro de Detenção Provisória de Apodi e que fosse instaurado um processo para constatar que ele portador de transtornos mentais.

O juiz negou a transferência e a instauração de processo para constatar que Wilson Jales tem transtornos mentais.

A decisão foi assinada no dia 4 deste mês de outubro de 2019 pelo juiz Renan Brandão de Mendonça, de Umarizal, com o parecer positivo do promotor de Justiça Carlos Henrique Harper Cox, com atuação na referida Comarca.

O assassinato de Dona Chica, como era mais conhecida a aposentada Francisca Alves, foi com tremenda covardia. Na ocasião, Wilson Jales também tentou matar o marido dela, o agricultor Raimundo Nonato de Oliveira, que sobreviveu porque conseguiu correr na direção do mato.

Quando cometeu este crime o médico estava acompanhado com outras três pessoas:

ISRAEL FRANCO DE OLIVEIRA Réu preso
JULIO RICARDO NETO Réu preso
LEONARDO RODRIGUES DO NASCIMENTO Réu preso

Os advogados de Júlio Ricardo Neto e Leonardo Rodrigues do Nascimento, pediram que o juiz Renan Brandão revogasse a prisão preventiva dos dois, alegando que não participaram diretamente do assassinato de Dona Chica e da tentativa contra Seu Raimundo. O juiz atendeu o pedido da defesa e revogou a prisão preventiva dos dois.

Além de matar Dona Chica e tentar contra a vida de Seu Raimundo, o médico Wilson Jales é acusado também de matar a ex-mulher, Rita de Cássia, depois um motorista de ambulância e um agricultor em Patu, e também um pistoleiro em Areia Branca.

Dos crimes que teriam sido contratados e não consumados, o médico teria contratado pistoleiros também para matar o delegado Sandro Régis, de Patu, e alguns policiais militares.

Preso em flagrante por ter matado Dona Chica e tentado contra a vida de Seu Raimundo, Wilson Jales pediu a justiça para ser transferido do Centro de Detenção Provisória de Pau dos Ferros, para o Centro de Detenção Provisória de Apodi, que é mais confortável, alegando que é graduado em medicina. Porém, não apresentou o diploma. O juiz negou.

Wilson Jales pediu, através de seus advogados, que o juiz Renan Brandão instaurasse um processo para investigar se ele tem ou não transtornos mentais. Como justificativa, apresentou um documento datado de 2009 e uma consulta médica recente. O juiz negou.

Concluída a instrução processual, Wilson Jales deve ser pronunciado para julgamento popular na Comarca de Umarizal.

Existe a possibilidade real também de o processo ser levado para outra Comarca, considerando que o réu é temido na região (pelos crimes que é acusado) e também por ser de família muito influente economicamente e do ponto de vista político.

Fonte: Mossoró Hoje

© WWW.CGNAMIDIA.COM - 2010/2016. Todos os direitos reservados.
desenvolvido por: D'Creative Agência Digital
imagem-logo