22 anos depois, psicopata que matou Elizete Moura Lemos volta a atacar em Ipanguaçu; vítima sobreviveu

Foto: Focoelho
Uma menina de 9 anos - nome resguardado - foi levada a força para o mato e lá teria sido violentada sexualmente por Francisco Heleno Felipe, o Heleno de Gelon, de 44 anos. Há 22 anos uma história muito parecida aconteceu neste mesmo município de Ipanguaçu. 

Na época, a menina Elizete Moura Lemos, de 10 anos, foi raptada, possivelmente violentada sexualmente, assassinada e seu corpo jogada no rio Pataxó, na comunidade de Arapuá. Foi encontrada três dias depois. O principal acusado: Heleno de Gelon foi preso e condenado pelos crimes. 

O caso Elizete Moura Lemos ganhou enorme repercussão na mídia, em função de um fator específico: surgiu uma conversa de que a menina havia sido assassinada num ritual de magia negra para beneficiar o então prefeito da cidade, José Wilson de Sousa. 

Na história montada ou real (não se sabe ao certo até hoje) resultaram com a prisão de outras seis pessoas de uma mesma família: Luzialba Pinto Fernandes, Francisco Veridiano Fernandes, Jofre Pinto Fernandes, Carlúcia Fernandes, Wallace Fernandes e Kátia Pinto Fernandes. 
O caso que parecia esclarecido, terminou se transformando numa tragédia muito maior. O pai de Elizete Moura Lemos morreu quando comentava a absolvição dos réus no primeiro julgamento do caso. A ré Luzialba Pinto terminou assassinada pelo irmão de Elizete Lemos. 

O irmão de Elizete Lemos terminou sendo morto a tiros na zona rural do Alto do Rodrigues. Carluzia ficou doente em função, segundo a família, a tortura que sofreu. Wallace também adoeceu. Francisco Veridiano também relatou tortura na época para confessar. 

Já aconteceram vários julgamentos e até o hoje, passados 22 anos, o caso Elizete Moura Lemos não chegou ao fim. Encerrado mesmo, só para o réu Heleno de Gelon. Condenado pelo Tribunal do Júri cumpriu a pena no Centro Penal Doutor Mário Negócio, em Mossoró/RN. 

Na época, surgiram várias versões para o rapto e morte da menina Elizete Moura Lemos. A principal delas é que Heleno de Gelon teria sozinho raptado, estuprado e matado a menina. Em outra versão, dois sujeitos da comunidade Arapuá teriam cometido o crime. 

O fato real é que a versão oficial, a que foi para o papel, era a menos provável, considerando o perfil dos acusados e as provas a favor deles. O réu Jofre Pinto, por exemplo, se quer foi ouvido. Ele tinha provas que estava longe do local que o crime aconteceu. 

Fora da prisão, Heleno de Gelon voltou para Ipanguaçu. Segundo o Sargento Chacon, na manhã deste domingo, dia 9 de setembro, 22 anos depois de raptar e matar Elizete Moura Lemos, Heleno de Gelon fez o mesmo. Desta vez a vítima sobreviveu e contou a história. 

O sargento Chacon e os PMs Alcides e Vandércio iniciaram as diligências e localizaram Heleno de Gelon na comunidade conhecido por Lombo do Cachorro. Ele estava com uma arma e se deslocando numa motocicleta com queixa de roubo. Foi preso em flagrante. 

A menina, depois de passar por avaliação médica, foi levada para fazer exames de corpo delito no Instituto Técnico-científico de Perícia (ITEP), em Mossoró-RN. Heleno de Gelon, depois de autuado em flagrante na Polícia Civil, foi enviado para o sistema prisional. 

Outros casos parecidos de meninos raptados e mortos por psicopatas 

1996, 10 de novembro. Elizete Moura Lemos, de 10 anos, foi raptada, possivelmente estuprada, assassinada e seu corpo jogado no leito do Rio Pataxó, na localidade de Arapuá, em Ipanguaçu. Sete suspeitos foram presos, o principal deles: Heleno de Gelon. 

1999. Um dos primeiros casos deste tipo aconteceu em Mossoró/RN. O garoto Francisco José de Medeiros da Silva, de 12 anos, foi raptado, violentado e morto no bairro Redenção. O acusado Marcelo Pereira de Sena foi preso, porém, alegando insanidade mental, foi solto.

2006, 23 de março. Marcelo Sena raptou Alexsandro Lourenço de Araújo, o 'Sandrinho', de 9 anos, o violentou sexualmente e depois o matou com faca, em Assu. O corpo foi deixado num lixão. Foi preso novamente e atualmente está no hospital psiquiátrico, em Natal. Ele confessa. 

2011, 14 de agosto. Alecsandro Soares, de 36 anos, levou a força a menina Milena Soares da Silva, de 9 anos, para o mato, a violentou sexualmente e depois a matou batendo com uma pedra a cabeça dela. Foi julgado e condenado. 

2012, julho. A menina Cinthia Lívia de Araújo, de 12 anos, foi raptada, estuprada e morta por Poliano Cantarelle Fernandes da Silva, de 3 5 anos, na cidade de Tibau/RN. Ele foi preso, processado e condenado pelo crime. Está cumprindo pena. 

2013, Janeiro. A menina Maria Vitória Henrique da Costa, de 12 anos, foi raptada, estuprada e morta, por Moisés Costa de Oliveira, de 36 anos, numa região de mato perto da casa onde morava com os pais, no município de São Miguel do Gostoso. 

2018, 28 de março. O pedreiro Marcondes Gomes da Silva, de 45 anos, raptou, violentou sexualmente e matou a menina Yasmim Lorena de Araújo, de 12 anos, numa casa na praia de Ponta Negra, em Natal. O acusado está preso aguardando julgamento. 

Em todos os casos, os acusados eram próximos das famílias das vítimas. Os acusados também não se comportam como se fosse culpados pelos crimes. Deixam a entender que o culpado é a própria vítima. Os acusados são frios, inclusive, em alguns casos, ficam perto da família procurando a vítima.

Fonte: Mossoró Hoje

© WWW.CGNAMIDIA.COM - 2010/2016. Todos os direitos reservados.
desenvolvido por: D'Creative Agência Digital
imagem-logo