Músico de Campo Grande faz campanha para poder estudar na Finlândia

Selecionado para estudar numa das mais conceituadas escolas de música da Europa, a Academia Sibelius, em Helsínque, capital da Finlândia, o trompetista potiguar Grácio Zaqueu Vieira Silva, 19, ganhou bolsa para aprimorar sua técnica por um ano, mas o sonho de galgar um degrau importante na sua arte está ameaçado. É que sua família não tem condições financeiras de mantê-lo no país estrangeiro, bancando os custos de moradia e outras despesas extras. Por isso o jovem iniciou uma campanha para arrecadar o dinheiro para se manter durante a formação no continente europeu.

Nascido em Campo Grande, na região do Médio Oeste, onde por sinal iniciou seu estudo na arte musical até conquistar uma vaga na Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e depois ingressar na Orquestra Sinfônica da UFRN e da Sesi Big Band, até decidir participar de um processo seletivo concorrendo com candidatos de todas as partes do mundo, obtendo acesso a um dos maiores conservatórios da Europa, com 1700 estudantes, Zaqueu não esquece de suas origens nem das pessoas que o ajudaram a chegar tão longe, apesar da pouca idade. Em entrevista ao NOVO, ele contou que seu interesse por música começou aos 8 anos, quando se matriculou no Instituto Gentil, mantido na sua cidade pelo empresário Antônio Gentil, para estudar flauta doce.

Aos 11, por sugestão do maestro, conheceu o trompete e não conteve a paixão. Admite até que, no inicio, enfrentou dificuldade para se adaptar ao instrumento, mas que, com três meses de prática diária, melhorou seu desempenho e decidiu viver da música. No inicio deste ano, incentivado pelos professores Ronilson Bezerra e Guilherme Rodrigues, da Escola de Música da UFRN, fez sua inscrição para concorrer à bolsa de estudo da Academia Sibellius. Com o apoio destes, aliás, finalizou a gravação do recital, com o qual concorreu à seleção e que deveria ter, conforme as regras vigentes, entre 30 e 50 minutos de duração. Informa ainda que a UFRN também deu todo o apoio na compra das passagens, cuja viagem está prevista para o dia 1º de setembro.

Trata-se, de fato, de uma oportunidade de ouro para o seu futuro profissional. A Academia Sibellius, única universidade de música na Finlândia, traduz em seu nome uma homenagem ao mais célebre compositor finladês, Jean Sibelius. Zaqueu conta que a instituição disponibilizou aulas de inglês e espanhol para o brasileiro se inteirar nas disciplinas ministradas no local. “Não posso deixar passar essa oportunidade", ressalta o jovem, manifestando o firme propósito de buscar apoio para seguir em frente.

Pelas informações disponíveis, tudo na Academia de Sibelius propicia a criação e propagação da música clássica. A partir da arquitetura do prédio, com um agradável café, loja de disco e área de exibição e ensaios abertos ao público, que atraem visitantes casuais para assistir aos alunos e músicos em apresentações pontuais, além da sala principal de concertos, que conta com uma disposição de assentos em declive, no estilo “vinhedo”, retomando à tradição clássica.

Recital na Escola de Música da UFRN

Além de Grácio Zaqueu, outro estudante da Escola de Música da UFRN também foi selecionado para a Academia Sibelius. Alan Davidson é fagotista, natural de Natal. Para quem não sabe, o fagote é um instrumento musical da família dos sopros, constituído por um longo tubo cônico de madeira de cerca de 2,5 metros, dobrado sobre si mesmo, que figura em orquestras e grupos de música de câmara. Os alunos pretendem morar juntos na Finlândia para poderem se ajudar tanto com o idioma quanto com o estudo.

As estimativas já foram feitas. Segundo Grácio Zaqueu, os custos para que os dois alunos possam passar um ano na capital finlandesa, com moradia e gastos extras, giram em torno de R$ 25 a 30 mil. As famílias dos garotos não têm condições para arcar com as despesas e a saída encontrada foi contar com a solidariedade dos amigos e da comunidade universitária.

No próximo dia 26 de agosto, às 18h e 20h, os dois selecionados se apresentarão no auditório da Escola de Música e os ingressos estão sendo vendidos a R$ 20. O valor arrecada será revertido para os custos do intercâmbio dos garotos que levam o nome do Rio Grande do Norte, do Nordeste e do Brasil para a música clássica europeia. “Estamos promovendo concertos e fazendo vaquinhas para que possa enriquecer minha carreira” revela o músico”, conta Zaqueu.

Para quem quer ajudar pela internet doando qualquer valor, basta acessar o sitehttps://www.vakinha.com.br/vaquinha/zaqueu-na-sibelius-akatemia

Desabafo

O estudante Grácio Zaqueu fez um desabafo na rede social a respeito da profissão de músico: “Músicos são algumas das pessoas mais determinadas e corajosas do planeta. Eles lidam todo dia com mais rejeição do que muita gente terá de conhecer em toda vida. Encaram diariamente o desafio financeiro da vida de freelancers, o desrespeito dos que acham que eles teriam de procurar empregos de verdade e seus próprios medos de nunca mais arranjarem trabalho”.

E continua: “A todo momento precisam ignorar a possibilidade de terem dedicado suas vidas a uma ilusão. E quando tocam, cada nota demanda esforço físico e emocional lado a lado com o risco de críticas e julgamentos. Passam-se os anos e eles assistem às pessoas de sua idade conquistando os marcos normais da vida adulta: a casa, o carro, o ninho, a família. E por que isso? Porque os músicos desejam mais do que tudo dar suas vidas a um momento, e um momento apenas: aquela melodia, acorde, letra ou interpretação que atingirá a audiência e tocará sua alma”.

Finalizando, o jovem descreve o papel a que está se destinando: “Músicos são seres que experimentaram o néctar do lugar em que sua criatividade toca os corações dos outros. Ali, estiveram mais perto da magia, de Deus e da perfeição quanto é possível a alguém chegar. E agora, em seus corações, sabem que a dedicação a isso vale mais que mil vidas”.

Fonte: Novo Jornal

© WWW.CGNAMIDIA.COM - 2010/2016. Todos os direitos reservados.
desenvolvido por: D'Creative Agência Digital
imagem-logo